skip to Main Content

Uso de smartphones e tablets causa novo tipo de ruga

Dermatologistas e cirurgiões plásticos do mundo inteiro têm observado o aparecimento de um novo tipo de ruga, encontrada principalmente em pessoas com idades entre os 18 e 39 anos, que foi chamada como “tech-neck”. O nome tem a ver com a causa do vinco, que aparece no pescoço, logo acima da clavícula. De acordo com uma pesquisa realizada pela The London Clinic, ela é comum em pessoas que têm, em média, três dispositivos digitais, como smartphones e tablets, e que costumam checar mensagens e e-mails até 150 vezes por dia.

O envelhecimento prematuro da região, que inclui, além da nova ruga, o surgimento antecipado da papada, é visto pelos especialistas como resultado da flexão constante do pescoço para direcionar cabeça e olhos para as telas dos aparelhos, da mímica e da contração muscular excessivas em função da constante interação com os conteúdos digitais, o que leva à flacidez da pele. Não apenas o pescoço, mas o queixo e as bochechas podem ser afetados, pois o movimento repetitivo acelera o impacto da gravidade e da perda natural da elasticidade da pele. Além de falar, as pessoas riem e choram ao ler textos, o que exacerba as rugas dinâmicas da face e do pescoço. Desta forma, olhar constantemente para baixo contribui para o surgimento de novas linhas e rugas ao redor do queixo e pescoço.

Em janeiro de 2015, o jornal britânico “The Telegraph” ouviu especialistas sobre este assunto e eles afirmaram que, se a preocupação estética das gerações anteriores era apenas com a chamada “T-zone” (que inclui testa, nariz, queixo e a área que circunda a boca), a de agora precisa ter cuidados especiais também com a chamada “Y-zone”, que engloba a parte inferior do rosto, o pescoço e a parte superior do tórax.

Local da nova ruga, a pele do pescoço é mais fina que a do rosto e costuma ser mais vulnerável, pois é menos protegida da exposição ao sol, por conta do uso de decotes. Os raios solares ajudam a afiná-la ainda mais, fundindo as camadas superiores da derme e fazendo com que a produção de colágeno, que diminui com o passar do tempo, seja menor. Com a perda da elasticidade, a flexão repetida do pescoço forma os vincos.

Em abril deste ano, o incômodo crescente causado pela “tech-neck” também foi abordado pelo jornal “Daily Mail”. Este novo problema estético foi apontado pela publicação como o culpado por comprometer a aparência das pessoas mais jovens, que têm procurado cada vez mais cedo tratamentos estéticos para queixo, bochechas, pescoço e colo. De acordo com o jornal, estudos recentes do instituto de pesquisas britânico WhatClinic.com mostram que a lipoaspiração de pescoço aumentou 280% no Reino Unido só no ano passado.

Não é só estética

Além dos problemas estéticos, smartphones e tablets têm sido responsáveis pelo surgimento de outros problemas de saúde, como a síndrome chamada “text neck” (pescoço de mensagem de texto, em tradução livre) ou “iNeck”, que pode levar à deformação da coluna cervical e causar dores de cabeça crônicas.

Trata-se de um tipo de LER (lesão por esforço repetitivo), decorrente do uso excessivo de celulares, smartphones e e-readers com postura inadequada: a cabeça pendurada para a frente e a coluna curvada. Os primeiros sintomas desta síndrome são as dores nos ombros e pescoço, que podem evoluir para uma cervicalgia, que vem sendo chamada de “iPosture”, cada vez mais comum, principalmente entre os jovens.

Uma pesquisa realizada pela empresa britânica Simplyhealth em 2012 mostrou que 84% das pessoas entre os 18 e os 24 anos se queixavam de dores constantes no pescoço e nas costas, resultado do tempo em que passaram sentadas, com as costas curvadas, usando smartphone, tablet ou computador. Com esta postura, o peso da cabeça aumenta drasticamente (a cabeça humana pesa cerca de 5 kg, e uma curvatura de apenas 2,5 cm para a frente faz este peso aumentar em 100%).

A sobrecarga pode levar à inflamação dos músculos do pescoço, ligamentos e nervos, causando uma lesão artrítica permanente ou resultando no aumento da curvatura da coluna vertebral. A doença também está associada a dores nos ombros e garganta, pode causar artrite e até mesmo diminuir a capacidade pulmonar. Além disso, estudos realizados pelo grupo Swedish Hardell relacionam o uso de celulares ao aparecimento de tipos específicos de tumores cerebrais.

Além da “text neck”, “iNeck” ou “iPosture”, o uso excessivo de celulares e smartphones tem sido apontado como a motivação para o surgimento de outras novas doenças, como a tendinite do polegar, a nomophobia (o medo de ficar sem o celular, que pode causar ansiedade, tremores e até náuseas) e a síndrome de vibração fantasma (também chamada de “ring-xiety”). Os problemas relatados afetam não somente as estruturas esquelético-musculares, mas podem motivar o aparecimento de transtornos psíquicos e de comportamento.

Todos estes sintomas e problemas de saúde física e mental relacionados ao uso das novas tecnologias podem ser prevenidos ao agir com moderação e ao se adotar uma postura correta, o que fica mais fácil de fazer quando se pratica exercícios físicos regularmente. Confira outras dicas:

. Faça pausas frequentes, de preferência a cada 15 minutos. Fique em pé, com a coluna reta, olhe para cima e traga o pescoço de volta para a posição neutra.

. Tente manter seu dispositivo móvel o maior tempo possível na altura dos olhos, mas sem curvar a coluna, ou seja, sem sobrecarregar os ombros e o pescoço.

. Dê preferência a atividades físicas como yoga e pilates, que se concentram na correção da postura e na conscientização corporal.

. Se a dor for persistente, procure um médico o quanto antes. A aplicação de toxina botulínica pode resolver e até prevenir o problema. Se você não fizer nada, a situação tente a piorar.

Tratamento e prevenção

De acordo com o Dr. Aldo Toschi, além da aplicação de toxina botulínica, as novas rugas na região do pescoço também podem ser tratadas com uma combinação de procedimentos, o que garante melhores resultados. “A toxina ameniza a aparência das linhas e ajuda a prevenir o aparecimento de novas rugas, mas o laser também pode garantir uma melhora no aspecto geral da área, atuando contra a flacidez, por exemplo”, diz.

FONTES:

The Telegraph: http://www.telegraph.co.uk/news/science/science-news/11338225/Smartphones-and-tablets-cause-skin-wrinkling-condition-dubbed-tech-neck.html

Daily Mail: http://www.dailymail.co.uk/femail/article-3040595/Is-mobile-phone-ruining-looks-called-tech-neck-sagging-jowls-caused-staring-phones.html

IBT Times: http://www.ibtimes.co.uk/smartphones-cause-drooping-jowls-tech-neck-wrinkles-18-39-year-olds-1482978

Agende seu atendimento pelo sistema DocMed (se ainda não for usuário, cadastre-se e utilize gratuitamente)

Se preferir, use os apps DocMed


Back To Top
×Close search
Search